Retrospectiva 2015

Residências

Diariamente, o teatro se faz na SP Escola de Teatro, onde artistas formam artistas. Mas a Instituição não limita seu olhar apenas para dentro: profissionais e companhias de fora também são bem-vindas para criar trabalhos e apresentar seus espetáculos nas dependências da Instituição.

Foi o caso, por exemplo, do Grupo Pândega de Teatro, que deu sequência à residência que possibilitou a criação da performance “Why the Horse?”, na qual a atriz Maria Alice Vergueiro encena sua própria morte. O coletivo ofereceu workshop para troca de conhecimento com os aprendizes da Escola.

O diretor carioca Lenerson Polonini também fez residência na Instituição para a criação do projeto “2x Foreman”, que mostrou duas peças do americano Richard Foreman, o papa do teatro experimental. O trabalho de Polonini foi a primeira encenação de textos do autor no Brasil.

O trabalho levou à Escola as peças “Badboy Nietzsche”, que mostrava Nietzsche em crise, assombrado por angústias, e “Prostitutas fora de moda”, uma viagem pelo sentido de existência vivida por quatro personagens fora de prumo.

Além destes trabalhos, destaca-se também a performance “Anatomia do Fauno”. Criação de uma disciplina da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, a montagem passou pela SP Escola de Teatro, escalando aprendizes de diversos Cursos Regulares.

A peça aborda como as relações se dão no mundo homoafetivo contemporâneo. No enredo, entram assuntos como o medo da solidão, a monogamia e o uso da tecnologia. Em 2015, foram realizadas duas temporadas na Escola: uma na sede Marquês e outra na sede Roosevelt, sendo que esta integrou a 2ª Bienal de Teatro da USP.