Prêmio Acessibilidade e Prêmio SP Escola de Teatro

A noite de 19 de março foi indiscutivelmente uma das mais especiais deste ano para a SP Escola de Teatro. Afinal, foi nela que aconteceram as cerimônias de entrega do 2º Prêmio SP Escola de Teatro e do Prêmio Acessibilidade 2013. O evento lotou a Sede Roosevelt.

O Prêmio SP Escola de Teatro – que, em sua edição de estreia, foi dedicado à atriz Maria Alice Vergueiro – neste ano homenageou esse outro grande nome das artes cênicas do Brasil: João das Neves.

Beirando os 80 anos, o diretor e dramaturgo não conteve sua emoção ao receber o troféu do 2º Prêmio SP Escola de Teatro. "Estou muito emocionado por receber um prêmio em uma escola de teatro. Boa parte da minha formação se deu em escolas de teatro", disse.

Carioca nascido em 1935, João teve especial importância no período de censura no Brasil, quando montou peças de cunho político. Foi um dos fundadores do Grupo Opinião, que durante 16 anos atuou com foco no teatro de protesto, além da difusão da dramaturgia nacional e popular. Acumulou parcerias com autores como Vianinha e Ferreira Gullar. Em 1976, levou aos palcos seu mais conhecido texto, "O último carro", que lhe rendeu o Prêmio Molière e o Mambembe de Melhor Diretor. Bienal Internacional de São Paulo, APCA, Golfinho de Ouro e Quadrienal de Praga são alguns dos outros prêmios que recebeu. Em 1989, fundou o Grupo Poronga, e, já na década de 1990, estabeleceu-se em Belo Horizonte. Dirigiu, ainda, diversos shows, como de Chico Buarque, Milton Nascimento, Baden Powell e MPB4.

Para Ivam Cabral, diretor executivo da Instituição, o homenageado "é um artista inspirador e mítico na história do teatro brasileiro, que comunga com a proposta da Escola porque sempre privilegiou a pesquisa, a experimentação da contemporaneidade sem esquecer a tradição".

A outra cerimônia que acontece naquela noite foi a do Prêmio Acessibilidade 2013, promovido pela Instituição em votação online realizada em seu portal, com o objetivo de promover o debate e premiar profissionais e ações voltadas à acessibilidade.

O Prêmio foi dividido em cinco categorias: Artes do Palco, Políticas Públicas, Cidadania, Equipamentos Culturais e Personalidade do Ano. Para cada uma delas, foram indicados 10 nomes, selecionados por um júri composto por sete profissionais de diversas áreas. São eles: Antenor José de Oliveira Neto, Cid Blanco Junior, Cássio Rodrigo, Ivam Cabral, Leandro Knopfhloz, Leonidas Oliveira e Luiz Carlos Lopes.

Foram computados mais de 123 mil votos. Os vencedores foram: Marcos Abranches (Artes no Palco); Circo Crescer e Viver (Cidadania); Cine Theatro Brasil Vallourec (Equipamentos Culturais); Daniel Gaggini (Personalidade do ano) e Governo do Estado de São Paulo (Políticas públicas). Eles levaram para casa o troféu cujo desenho foi assinado por outro grande artista: Gilberto Salvador, que doou a criação da obra à Instituição.

O Prêmio também contemplou uma categoria especial, o Grande Prêmio Acessibilidade 2013, dedicada ao promotor Maurício Antônio Ribeiro Lopes, por sua preocupação com a cidade e com o território, além de dialogar com os mais variados agentes de transformação cultural.

Alexandre Atur Perroni

Prêmio Acessibilidade e Prêmio SP Escola de Teatro