Secretaria da Cultura
Retrospectiva 2012
SP Escola de Teatro
Saiba Mais
As Muitas Faces de uma Escola
Saiba Mais
Abertura da Sede Roosevelt
Saiba Mais
Diálogos
Saiba Mais
Cabarezim
Saiba Mais
Meyerhold: da Rússia para a Roosevelt
Saiba Mais
Youpix
Saiba Mais
Ocupação da Sede Roosevelt pela Cia. Balagan
Saiba Mais
Processo Seletivo
Saiba Mais
Publicações
Saiba Mais
Intercâmbios
Saiba Mais
Extensão
Cultural
Saiba Mais
Minidrama
Saiba Mais
Participação na Satyrianas
Saiba Mais
Outros Projetos
Saiba Mais
Intenso Até
o Fim
Exposição Nelson Rodrigues
Saiba Mais
SP em
Números
Saiba Mais
Saiba Mais
Projeto Escola Vermelha
Saiba Mais
Projeto Escola Verde
Saiba Mais
Projetos Especiais
Saiba Mais
Territórios Culturais

Intercâmbios

A SP Escola de Teatro mostrou este ano que é possível romper barreiras continentais e compartilhar conhecimentos, recebendo Ulrika Malmgren e Simon Norrthon, ambos da Escola de Teatro e Cinema de Estocolmo, que vieram à Instituição pesquisar o modelo pedagógico aqui adotado.

Na ocasião, Ivam Cabral, diretor executivo da Instituição, disse sobre o intercâmbio: “O mais bonito disso tudo é que os recursos para viabilizar o projeto virão de uma fundação sueca, e este financiamento já está todo negociado. Já conhecia Ulrika antes mesmo da fundação da Escola. Ou seja, desde antes da inauguração, quando ainda estávamos definindo o projeto da Escola, já buscávamos parcerias nesse sentido”.

Durante este ano, a SP Escola de Teatro ainda fechou parceria com a Escuela Nacional de Teatro da Bolívia, que fica em Santa Cruz de La Sierra, com intercâmbio entre aprendizes das duas instituições. Assim, Nadia Verdun e Erik Moura, matriculados no curso de Atuação, Módulo Azul, embarcaram para a Bolívia, por dois meses, para participar do processo de montagem de um espetáculo, com alunos do terceiro período da Escuela Nacional de Teatro de Santa Cruz, sob a direção de Marcos Malavia, criador e diretor da instituição boliviana.

E um boliviano também aportou no País, para estudar na Instituição: Antonio Peredo. “Vários aspectos me chamaram a atenção no lugar: a capacidade de reunir pessoas de diferentes disciplinas, o trabalho intenso... Me vi forçado a viver a realidade da profissão das artes cênicas, tudo isso somado ao ambiente social e político local, me mostrando a responsabilidade social do artista”, diz ele, que, no Módulo Amarelo, participou de uma experiência livre e que, no Módulo Vermelho, decidiu colocá-la  em prática. “A experiência mais importante para mim foi a apresentação da minha peça ‘A Morte de um Ator’, na Praça Roosevelt. Lindo ver, ao fim, a alegria dos rostos que me observavam. Foi gratificante.”

A Instituição contabilizou, além dos já citados, o intercâmbio de Filipe Brancalião, que foi conhecer o Odin Teatret, da Dinamarca. Lá, o ator, diretor e formador do curso de Atuação da SP Escola de Teatro visitou um dos grandes grupos teatrais do mundo e conheceu melhor seu diretor, o consagrado Eugenio Barba.

Sua experiência foi registrada no blog “Conexão SP Escola de Teatro | Odin Teatret”, no qual relata a viagem em textos poéticos como este, em que fala do seu primeiro encontro com Barba: “White Room. Sapatos na porta. Um círculo e um silêncio solene. Todos se olham, mas ninguém arrisca um suspiro mais alto. Os brasileiros e portugueses se entreolham, mas não arriscam um cochicho. Barba entra, sorri a todos e em suas primeiras palavras diz, sejam bem-vindos, mas como o sol está lindo, ‘take your chairs and go to the garden’.”











TOPO
VOLTAR
todos os direitos reservados a sp escola de treatro centro de formação das artes de palco.
Desenvolvimento de Sites QubeDesign
>> Entrar no Site