Secretaria da Cultura
Retrospectiva 2012
SP Escola de Teatro
Saiba Mais
As Muitas Faces de uma Escola
Saiba Mais
Abertura da Sede Roosevelt
Saiba Mais
Diálogos
Saiba Mais
Cabarezim
Saiba Mais
Meyerhold: da Rússia para a Roosevelt
Saiba Mais
Youpix
Saiba Mais
Ocupação da Sede Roosevelt pela Cia. Balagan
Saiba Mais
Processo Seletivo
Saiba Mais
Publicações
Saiba Mais
Intercâmbios
Saiba Mais
Extensão
Cultural
Saiba Mais
Minidrama
Saiba Mais
Participação na Satyrianas
Saiba Mais
Outros Projetos
Saiba Mais
Intenso Até
o Fim
Exposição Nelson Rodrigues
Saiba Mais
SP em
Números
Saiba Mais
Saiba Mais
Projeto Escola Vermelha
Saiba Mais
Projeto Escola Verde
Saiba Mais
Projetos Especiais
Saiba Mais
Territórios Culturais

Projetos Especiais

A SP Escola de Teatro deu início a um novo projeto neste ano: o SP Dramaturgias. Trata-se de um espaço voltado à leitura de textos dramáticos inéditos. As leituras são realizadas por aprendizes e formadores da Escola. A seleção dos textos se pauta em critérios artísticos (textos inéditos, que dialoguem com questões da contemporaneidade, quer na forma, quer no conteúdo) e pedagógicos (a partir de demandas e questões oriundas do trabalho desenvolvido entre formadores e aprendizes na Escola).

 



Os encontros acontecem quinzenalmente, sempre às terças-feiras, na Sede Roosevelt. São abertos ao público e têm entrada gratuita. “A ideia é desenvolver um trabalho em que a relação aprendiz/formador seja feita da forma mais horizontal possível”, conta Jucca Rodrigues, artista convidado de Dramaturgia.

“Três”, texto de Camila Damasceno, aprendiz de Dramaturgia, do Módulo Azul, foi o primeiro a ser lido. Participaram desta leitura as aprendizes de Atuação Renata Konsso e Marina Santos, o aprendiz de Humor Luciano Tito e os aprendizes de Sonoplastia David Sousa e Luana Hansen. Em cena, três personagens que vivem um triângulo amoroso entram em conflito quando um dos vértices dessa relação se rompe. O quadro “Os Amantes” (1928), de René Magritte, inspirou a criação.
 

O texto “O Clube”, do aprendiz de Dramaturgia Afonso Júnior Ferreira de Lima, foi outro destaque. Criado em três atos quase independentes, unidos pelo fio temático de organizações anônimas subversivas que executam planos de vingança contra seus repressores, foi interpretado por Nilton Melo e Sandra Vilchez, de Atuação, André Mendes, Fabíola Nabbout, Marcela Pupatto e Cristiano Carvalho, de Humor, e Guilherme Nordi Colósio, de Sonoplastia.

TOPO
VOLTAR
todos os direitos reservados a sp escola de treatro centro de formação das artes de palco.
Desenvolvimento de Sites QubeDesign
>> Entrar no Site